Material Gráfico

Prelecionista: Marcela Uli Peixoto Araújo. Data: 17/08/2021, às 16:00 horas pelo ZOOM*. Orientador: Fabrício de Ávila Rodrigues.

O trigo (Triticum estivum L.) é um dos cereais mais cultivados no mundo, fonte importante de nutrientes para a alimentação humana e animal. Muitas doenças fúngicas têm acometido essa cultura causando grandes perdas na qualidade e produtividade. A brusone, causada por Pyricularia oryzae, destaca-se como uma das doenças mais destrutivas e limitantes da produção do trigo atualmente. Este estudo teve como objetivo investigar o efeito do silício (Si), do magnésio (Mg) e dos ácidos β-aminobutírico (BABA) e γ-aminobutírico (GABA) em potencializar a resistência do trigo à brusone. No primeiro experimento, as plantas foram cultivadas em solução nutritiva sem (0 mM) ou com (2 mM) adição de Si em combinação com duas doses de Mg (0,25 e 0,6 mM) e não inoculadas ou inoculadas com P. oryzae. Os sintomas da brusone foram reduzidos nas plantas supridas com Si devido a maior concentração foliar desse elemento. Para o Mg isoladamente ou o seu possível efeito sinérgico com o Si, não ocorreu redução na severidade da brusone. Maiores valores para os parâmetros da fluorescência da clorofila (Chl) a (eficiência quântica máxima do fotossistema II (Fv/Fm), rendimento fotoquímico (Y(II)), rendimento de dissipação regulada (Y(NPQ))), alta concentração de clorofila a+b e menor produção de aldeído malônico (MDA), peróxido de hidrogênio (H2O2) e ânion superóxido (O2) ocorreram para as plantas supridas com Si e infectadas por P. oryzae. Em geral, as plantas supridas com Si e infectadas por P. oryzae, independentemente do Mg, apresentaram maiores atividades das enzimas de defesa (quitinase (QUI), β-1,3-glucanase (GLU), fenilalanina amônia-liase (PAL), peroxidase (POX) e polifenoloxidase (PPO)) e antioxidantes (ascorbato peroxidase (APX), catalase (CAT), glutationa redutase (GR) e superóxido dismutase (SOD)), bem como maior concentração de lignina. No segundo experimento, as plantas foram pulverizadas com água (controle) e soluções de BABA e GABA e não inoculadas ou inoculadas com P. oryzae. A severidade da brusone foi maior para as plantas dos tratamentos controle e GABA em comparação ao tratamento BABA. Os valores dos parâmetros de fluorescência da Chl a (Fv/Fm, Y(II) e Y(NPQ)), concentrações de Chl a+b e carotenoides foram maiores para plantas do tratamento BABA em relação aos tratamentos controle e GABA. As atividades das enzimas CHI, GLU, PAL, PPO e lipoxigenase foram maiores para as plantas do tratamento BABA em comparação aos tratamentos controle e GABA. Maiores atividades da APX, CAT e SOD para as plantas do tratamento BABA ajudaram aliviar o estresse ocasionado pela maior produção de H2O2 e O2 em relação aos tratamentos controle e GABA. Em conclusão, a resistência do trigo à brusone foi potencializada pelo Si e o BABA em associação com um metabolismo antioxidativo mais robusto e preservação do aparato fotossintético.

*Interessados contatar pos.fitopatologia@ufv.br para solicitar o link do ZOOM.